Edina Bravo, Meu Recanto
Crônicas e Contos, para alimentar a alma
CapaCapa TextosTextos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

Meu computador pifou e fui obrigada a ir ao banco pagar uma conta que vencia naquele dia. Lá chegando, resolvi ir para a fila dos idosos (já tenho direito) que estava bem menor. Achei que seria mais rápido. Ledo engano, os velhinhos demoram muito mais para fazer os pagamentos.
Para me distrair comecei a prestar atenção à conversa de uma das velhinhas.
- Ah...eu adoro uma fila. A gente pode conversar, trocar ideias, ensinar coisas e aprender. Eu, todos os dias vou ao supermercado. Um dia eu compro uma coisinha e aproveito pra conversar. Noutro dia até arranjei um namorado, mas ele era muito velho pra mim.
- É, disse uma das senhoras, quantos anos ele tinha?
- Acho que uns noventa e seis ou sete. Não ia me aguentar.
- E a senhora tem quantos anos?
- Oitenta e nove muito bem aproveitados. Já namorei muuuuuuito!
Logo ela se virou para outra senhora e começou a dar receitas de cremes para o rosto, para ficar sempre jovem.
Creio que ela nunca os usou, uma vez que o seu rosto era um plissado.
Mas achei interessante o interesse dela pelas coisas e pelas pessoas. Ela não se achava idosa, porque idosa, na sua opinião, era quem não tinha mais interesse por nada nem por ninguém.
CERTÍSSIMA!
Edina Bravo
Enviado por Edina Bravo em 04/06/2017
Alterado em 22/06/2017


Comentários