Edina Bravo, Meu Recanto
Crônicas e Contos, para alimentar a alma
CapaCapa TextosTextos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

Jucicleide, quarenta anos, baiana bonita, com um belo corpo, arretada, daquele tipo que não leva desaforo pra casa, andava muito triste. Desde que o marido, Carlão, a havia trocado por duas periguetes de vinte anos, ela não sabia o que era sorrir.
Sua amiga, Juracy, pessoa que não tinha tempo para ser infeliz, a aconselhou a procurar um psicólogo.
A consulta foi marcada e o dia chegou. Com muito sacrifício e incentivo da amiga, lá foi ela para o consultório.
O psicólogo mandou-a deitar-se no sofá e ela começou a contar os seus problemas. Falou...falou...falou e, quando parou pra respirar, resolveu olhar pra cara do psicólogo. Ele dormia que nem um anjinho, com a cabeça tombada pra direita e a baba escorrendo pelo colarinho da camisa. Ela saiu de mansinho pra não acordá-lo e, chegando à sala de espera, pegou uma caneta e um bloquinho que estavam sobre a mesa e deixou-lhe um bilhete.

Caro doutor, acho que o senhor está precisando de tratamento mais do que eu. Como o fiz tirar uma soneca e relaxar, acho que sou eu que mereço receber pela consulta. Abaixo seguem os dados da minha conta pro senhor depositar os R$ 200,00 que me deve. Se quiser podemos marcar a sua próxima visita pra semana que vem. Estou livre das 16 às 18 horas. Um abraço.
Edina Bravo
Enviado por Edina Bravo em 30/05/2017
Alterado em 22/06/2017


Comentários